terça-feira, 28 de abril de 2020

Rubens Jardim - EntreVistas


Lá pelos idos dos anos de 1983 quando criei a Mostra Visual de Poesia Brasileira, tomei conhecimento que existia no Brasil, um projeto de poesia com o título: Categuese Poética, criado pelo poeta catarinense Lindolfo Bell. Dois anos depois em 1985, por carta, recebo um grande relato sobre o projeto, escrito pelo próprio Lindolfo Bell, que relata a participação de Rubens Jardim nessa catequese

Na época os contatos com os poetas fazíamos através dos correios, e mesmo querendo saber  sobre a poesia do Rubens, não nos encontramos nessa década. O encontro veio como muitos outros através do face, mais ou menos há uns 3 anos, e o Cesar Augusto de Carvalho através do Sarau da Paulista e do Gente de Palavra Paulistano, proporcionou os nossos encontros físicos, por assim dizer. Tenho com Rubens, algumas afinidades: por exemplo a paixão pela oralidade, a satisfação de estar nos Saraus, nos Encontros, nos projetos onde a poesia é dita em voz alta. E uma outra, incomum para os dias atuais:  fomos tipógrafos. Profissão hoje inexiste no Brasil, e nem sei se ainda existe em outra parte do planeta.

Rubens Jardim, 73 anos, jornalista e poeta. É autor de quatro livros de poemas. O mais recente: Antologia de Poemas Inéditos(2018). Publicou poemas em diversas antologias no Brasil e no exterior. Integrou a Catequese Poética(1964-1968), participou da 1ª Bienal Internacional de Poesia de Brasília(2008). É organizador do Sarau da Paulista e curador do Sarau Gente de Palavra. Pesquisou e divulgou em seu blog, e em sites parceiros, durante 6 anos, a série AS MULHERES POETAS. que viraram 3 livros virtuais, acessados gratuitamente na plataforma do ISSUU.


Artur Gomes -Como se processa o seu estado de poesia?

Rubens Jardim - Já disse algumas vezes --e em vários lugares - que escrevo a esmo porque acredito no acaso e na inspiração. E a prova disso são os livros que publiquei - Ultimatum(1966), Espelho Riscado(1978) Cantares da Paixão(2008), Fora da Estante(2012)e esta Antologia dePoemas Inéditos(2018) . 

Todos eles não foram projetados, pautados ou arquitetados. Sinto uma dificuldade enorme em lidar simultaneamente com a razão e a emoção poética. Por isso o que me guia sempre é a pulsação da palavra, o mistério da linguagem, uma espécie de viagem por esse oceano de letras, sons e significados... Claro que a espontaneidade da escrita não dispensa a vigilância e os cuidados com a construção do poema. Mas poesia pra mim é mistério, alquimia. É a transformação do indizível em dizível. É, enfim, fazer o milho virar pipoca!!!

Artur Gomes - Seu poema preferido?

Rubens Jardim - Acho muito complicado esse troço de escolher um poema, um poeta, um autor, um compositor, um filme, uma escultura, um desenho, uma música, uma pintura. Mas vou tentar responder situando poetas que me encantaram em diferentes períodos da minha vida. Alvares de Azevedo marcou a minha adolescência junto com Manuel Bandeira - e seu lirismo impregnado pelo cotidiano, e sua sabedoria simples, enxuta, exata.

 Outros poetas que me provocaram espantos, sustos e encantamentos: Rainer Maria Rilke,Fernando Pessoa, Jorge de Lima, Drummond, Nietzsche, Neruda, Eliot, Pound, Saint-John Perse, Cassiano Ricardo, Cabral, Mario de Andrade,Ferreira Gullar, Lindolf Bell.

Artur Gomes - Qual o seu poeta de cabeceira?

Rubens Jardim - Nunca consigo me afastar ou deixar longe de mim livros de Rilke, principalmente as Elegias de Duino; as obras completas de Jorge de Lima e o Grande Sertão, Veredas, do Guimarães Rosa. São paixões que me acompanham durante a vida inteira. E esses camaradas estabeleceram conexões muitos intensas comigo. E essa proximidade é de tal ordem que já fui atrás deles em Duino(onde Rilke iniciou as Elegias), em União dos Palmares e Maceió (onde Jorge de Lima nasceu e viveu) e em Cordisburgo (onde nasceu Guimarães Rosa). Também estive em Naumburg e Sils Maria atrás de Nietzsche, esse poeta dos aforismos do Zaratustra.

Artur Gomes - Em seu instante de criação existe alguma pedra de toque, algo que o impulsione para escrever?

Rubens Jardim - Em linhas gerais acredito que a gente escreve por não aceitar o mundo como ele é. Aliás, acho que é isso que impulsiona qualquer trabalho artístico: esse desejo de alterar e transformar o mundo. Na verdade, escrevo pouco e sem nenhuma disciplina, método, ritual. Desde criança sou rebelde e indisciplinado.

E tem mais: não consigo me filiar a essa ideia de que escrever poemas exige muito trabalho e muita transpiração. Reconheço que poesia é um negócio difícil, complicado. Mas comigo, pelo menos ,o andamento tem sido diferente. Já escrevi alguns sonetos e um deles conquistou até uma certa notoriedade e elogios de gente versada no assunto.

Confesso, porém, não ter suado a camisa. Ele nasceu de parto normal, com algumas contrações, é claro. Mas dispensando cesáreas, fórceps e outras intervenções técnicas.

Artur Gomes -Livro que considera definitivo em sua obra?

Rubens Jardim - Sou totalmente provisório e efêmero—mas estou até durando bastante. Já emplaquei 7.3.  Logo mais, em maio ingresso no 7.4. Devo confessar, porém, um entendimento sério da minha relação com a poesia: não tenho nem obra, imagine livro definitivo...

Artur Gomes - Além da poesia em verso,já exercitou ou exercita outra forma de linguagem com poesia?

Rubens Jardim - O mundo da oralidade me sequestrou muito cedo. E ainda estou mergulhado nele. Gosto demais de assistir leituras públicas de poemas—e de participar. Na origem disso enxergo minha tia Conceição. Ela era apaixonada por poesia, tinha um vasto repertório de autores e declamava bem pra caramba.

Eu tinha uns 12 anos e ficava completamente encantado quando ele recitava o Navio Negreiro, por exemplo. Atribuo a ela meu vínculo tão forte com poetas, poemas e com a oralidade, é claro.

Em 1964, após o golpe militar, fui assistir uma apresentação do poeta catarinense Lindolf Bell, no Teatro de Arena. Fiquei completamente arrebatado pela qualidade dos poemas e pela forma teatral que ele incorporava a sua declamação. Pouco tempo depois, em 1965, passei a fazer parte da Catequese Poética, movimento que ele criou em maio de 64, em uma boate de São Paulo.

E a partir daí a oralidade nunca me abandonou. Até hoje participo de saraus e leituras públicas de poesia. E faço a coordenação do Sarau da Paulista(com os camaradas César Augusto de Carvalho e Claudio Laureatti) e a curadoria do  Gente de Palavra Paulistano, com o mano Cesar.

Artur Gomes - Qual poema escreveu quando teve uma pedra no meio do caminho?

Rubens Jardim - Certamente não foram poucos. Um deles divido com vocês:

¡Que no quieroverla!

Quero que você viaje sempre
e se não quiser voltar – que não volte.
Busque outros programas
de preferência algum que seja mais extenso.
E vá visitar os teus museus
e viver nas regiões mais inóspitas:
que tal o Musée du Panthéon National Haïtien?
ou o Museu de Serra Leoa,
em Freetown?

Afinal essas viagens
são um imperativo do trabalho.
E Rodin já dizia: o trabalho é tudo.

Sem trabalho as pedras
continuariam pedras
e os trançados da vida
não estariam aqui
– no traço talhado.

O que importa é trabalhar
para transformar nosso olhar,
mudar a direção da alma
e viver na concentração do corpo.

Não dissipar nada.
Nem diluir o vinho.
Nem preservar a esquálida integridade
dos medos e do pouco pão
dividido.

Resguardar apenas as funduras de ser
habitante dos precipícios
e dos despenhadeiros,
neblina da minha alma,
entroncamento de caminhos.

Não, eu não quero me habituar às tuas partidas
nem às vestimentas cotidianas.
Também não quero trajes apertados
nem sininhos no pescoço.

Sei que a vida é contínua queimação
de etapas,
de imagens
clareiras.

Questões sempre postas
nas mesas
nas camas
– e onde a resposta?

Perguntas dissolvem-se em soluções
retilíneas.
Mas se as retas não existem
e se já não existem os júbilos e as celebrações
o que fazer com essa angústia:
chamar Kierkegaard?
Ou afinar os ouvidos para ouvir Holderlin
e a solidão absoluta de Rainer?

Claro que a vida não é só proximidade.
encontro
desencontro
reencontro.

Faz parte da vida esse capinar sozinho
Faz parte da vida esse capinar
Faz parte da vida
Faz parte
Faz

E o que é que eu fiz
diante de você naquela tarde
de desorientadas navegações,
bússolas quebradas que retornam
retorcidas
caminhos da minha alma
em agonia

(se não fossem os meus erros
se não fossem os teus)
se não fossem
se não
se

Não, não há nenhum touro em minha frente.
Também não há nenhuma arena em minha memória.
Mas por que meu relógio permanece parado
alas cinco en punto de la tarde?

Pura coincidência de um verso
que a-tingiu meu universo
de vermelho
vermelho como la sangre de Ignacio
sobre la arena
Ou como tuas unhas pintadas
que eu não quero ver
que eu não quero ver

o aceno de tuas mãos
em mais nenhuma despedida.

Artur Gomes - Revisitando Quintana: você acha que depois dessa crise virótica pandêmica, quem passará e quem passarinho?

Rubens Jardim - Sinto uma dificuldade enorme em romper com as marcas profundas que Sartre imprimiu em minha alma quando disse essa frase: o homem é uma paixão inútil. Apesar disso, mantenho sempre aberta uma janela para a esperança—e não desisto de lutar a favor de uma sociedade mais igualitária e fraterna. Estou, como a maioria dos meus amigos poetas e escritores, absolutamente horrorizado com o baixo nível dessa “jente” que está aí dando as cartas e comandando o país. Mas temos e mantemos um compromisso de luta e resistência: tudo isso haverá de passar e, se Deus quiser, nós passarinhos!!!

Artur Gomes - Escrevendo sobre o livro Pátria A(r)mada, o poeta e jornalista Ademir Assunção, afirma que cada poeta tem a sua tribo, de onde ele traz as suas referências. Você de onde vem, qual é a sua tribo?

Rubens Jardim - Infelizmente, minha tribo - que não é indígena - foi sendo dizimada. Do grupo da Catequese Poética já foram embora daqui por morte Lindolf Bell, Iracy Gentile, Luiz Carlos Mattos, Erico Max Muller, Iosito Aguiar, Reni Cardoso. Dos que ainda estão vivos, quase todos dedicam-se a outras atividades.

Sou o único a insistir nessa batalha que já me consumiu mais de 50 anos de convivência com poetas de várias gerações e em vários lugares do Brasil. Costumo dizer que continuo fazendo Catequese Poética –mas desde o advento da internet, fazendo também catequese poética eletrônica. E o testemunho mais legítimo de que estou pairando fora de qualquer tribo veio de um livro-surpresa feito em minha homenagem pela Editora Patuá, ano passado. Participaram mais de 70 poetas de gerações diversas e de diferentes regiões do Brasil.

A maioria estava presente na Patuscada em festa programada para festejar todos os poetas homenageados pelo Gente de Palavra Paulistano. Só que na hora h esses amigos queridos me aprontaram o prêmio mais lindo da minha vida: esse livro-homenagem. A surpresa e a emoção foi gigantesca e eu chorei soluçado que nem criança durante bom tempo.

Artur Gomes - Nos dias atuais o que é ser um poeta, militante de poesia?

Rubens Jardim - Otávio Paz, poeta mexicano premiado com o Nobel ,em 1990, escreveu que o

“poeta moderno não tem lugar na sociedade porque, efetivamente, não é ninguém. E isto não é uma metáfora: a poesia não existe para a burguesia nem para as massas contemporâneas”.

Portanto, ser um militante da poesia é combater esse quadro contribuindo para alterá-lo nem que seja quase que imperceptivelmente.

Artur Gomes - Que pergunta não fiz que você gostaria de responder?

Rubens Jadim - Como terminará a luta entre Bolsonaro e Moro?

Resposta - Não tenho a resposta, mas estou feliz com essa briga. Espero que as pessoas percebam que nenhum dos dois é flor que se cheire...

FulinaímaMultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1268 - whatsapp






Um comentário:

  1. Entrevista deliciosa com esse cara formidável: Rubens Jardim. Pena que não soube nem fui convidado pra merecida homenagem a você, meu amigo. A sua humanidade poética vem da sua simplicidade, quase humilde, totalmente perceptível em sua poesia e nessa entrevista. Você é grande! Abraços fraternos

    ResponderExcluir

Diálogos Fulinaímicos

  Diálogos Fulinaímicos com a psicóloca Luiza Bozola   Artur Gomes – a palavra que procuro é clara quando não é gema – até furar os meu...